Review 2011

Nosso ano foi repleto!

Teve até Princesa e Reis em dobradinha. Teve gente que sabe muito. Abrimos duas turmas do curso de Gestão da Comunicação Online, uma em abril e a outra em agosto. Por isso tivemos duas aulas inaugurais. A primeira foi sobre celebridades na internet. No fim, a segunda também foi. Mas nada que não possa ser contornado por especialistas.

Celebridade por celebridade, foram os alunos os maiores beneficiados, sem nenhum ilusionismo.

Teve promoção e pra mocinha! E até certa revolta.

Não teve caça ao tesouro como nossos coordenadores queriam, mas teve caça às tendências e moda, versões um e dois.

Pelo mundo, através da internet falamos de divórcio, de Eduardo e Mônica, sobre bolha e plástico bolha. Mídia social bombou até em concurso público esse ano, já que hackers profissionais ficaram milionários e falta gente até onde não se imagina. Segurança nas redes sociais foi assunto recorrente, até no governo americano. A Colombia também teve medo, e nem a ONU ficou de fora. E a Sony? Ela prefere não pagar por isso.

Nossos alunos colocaram a boca no trombone para falar sobre nosso curso. E fizeram isso de novo. Não poderíamos passar em brancas nuvens.

Descobrimos coisas sobre locomotivas, sobre coisas que podem ser diferentes do que pensamos, quando efetivamente pensamos nelas. Aprendemos sobre zebras com cabeça de cavalo (ou vice-versa). Ou será que eram poneys? Aprendemos também a usar armas. E como negociamos, hein! Será que deu pra resumir em uma só palavra?

Choramos com gente que partiu, com mais gente que partiu (e mais uma vez), com gente que voltou da morte e com gente que comprou gente.  Teve mais, teve menos. Teve muita coisa que saiu do papel por causa da galera que descobriu seu próprio valor, conquistando seu lugar ao sol.

Descobrimos quem é Lady A, e várias outras pessoas VIPS. Por certo, a relação entre as pessoas e as coisas ficou ao menos diferente. Quanta surpresa! Fizemos até aniversário. Até a Bahia deu as caras. Mais de uma vez. Em dose dupla algumas vezes, porque internet não é balinha.

O que era legado mesmo? Aprendemos a lidar com regras, e aprendemos a esperar. Descobrimos que não somos os únicos em vários sentidos. Principalmente quando falamos dos nossos vícios, já que a pedra filosofal do nosso negócio são as pessoas! Mas também não faltou gente iludida, cercada de rumores.

Perdemos o medo de tumores cerebrais, fomos comer tartarugas (mentira!), apostamos corrida, e lidamos com zumbis.  E como perdemos tempo na internet. Até porque ganhar e perder são termos bem relativos quando falamos de internet.

Viramos até Editora! Circunavegamos o mundo comunicacionalmente (ufa!), procurando sempre saber  o que acontece por aí, lá e cá. Porque melhor do que o quinto, é o terceiro elemento.

Mas sobretudo, aprendemos que tem mais coisas com que devemos nos preocupar quando formos viajar para fora do Brasil, além de não passar com bombas e armas pelo raio X. Afinal de contas, nós estudamos aquilo que você curte. Estudamos, estudamos e estudamos.

Esse  foi só o nosso primeiro ano. E que venham outros.

Equipe COMDPI